Growth Hacker tem que ser organizado

Não basta hackear sem se organizar

O growth hacking é uma realidade do marketing atual das startups às corporações. Desenvolvedores de produtos que facilitam a vida de profissionais do marketing cresceram com essa metodologia. Você estuda o assunto ou já começou a atuar nessa área? Saiba que organização é a primeira qualidade a ser desenvolvida. Se você ainda estuda ou está há pouco tempo, fique por aqui. Explicaremos o conceito e daremos dicas de organização para growth hacking.

O que é growth hacking?

O termo ainda soa como novidade no Brasil. O “pai” desse termo é Sean Ellis e ele falou pela primeira vez em 2010. O executivo do Dropbox fez a plataforma aumentar o número de usuários de 100 mil para 4 milhões em quase 1 ano. A tática adotada foi dar mais espaço aos usuários que convidassem amigos, desde que estes assinassem o serviço. Sean explica que growth hacking marketing é um “marketing orientado a experimentos”.  A tradução para o termo é algo como “descobrir oportunidades”. O consultor growth hacking por essa metodologia atua como um hacker. Ele concentrará seu tempo em garimpar oportunidades para crescimento.

Como é uma equipe de growth hacking?

Mas, quem são os profissionais que atuam nessa área? Esse time é formado pelo Chief Growth Hacking, Quant, Designer, Hacker e por Gurus de Canais. Algumas das características deles são pensar fora da caixa, AMAR dados numéricos, estar à frente das mudanças no marketing e entender o processo que leva uma empresa ao crescimento. E quais são as funções desempenhadas por essa turma? Saiba o que cada um faz:

  • Chief Growth Hacking: quem administra o dinheiro, quem determina para aonde o dinheiro vai;
  • Quant: o que sabe tudo de matemática e estatística, quem atua na gestão de riscos para evitar e estancar a sangria de desordens financeiras;
  • Designer: o design thinking, aquele que vê as informações não apenas como dados estatísticos e desenvolve métodos de divulgação próximos dos clientes, para causar empatia;
  • Hacker: o programador que desenvolverá programas automatizados para otimizar o trabalho no marketing;
  • Gurus de canais: o gênio das estratégias em divulgação paga, como os anúncios em redes sociais e Adwords e também conteúdo orgânico, tais como Inbound Marketing e SEO.

Agora, essa equipe precisa ser organizada para gerenciar suas atividades. Aplicativos como o Trello ajudam bastante. Dispensa instalação e seu acesso é pelos navegadores Firefox, Google Chrome, Safari e Internet Explorer. Nele, as atividades são controladas por quadros e o usuário pode criar tópicos. Para avisar alterações para outros, basta colocar @ e nome do usuário. O Evernote também ajuda a organizar o trabalho. Disponível para Android, iPhone, Windows, Windows Phone e MacOS. As anotações podem ser feitas no computador e smartphones com possibilidade de sincronização.

Growht hacking cases

Uma verdadeira consultoria growth hacking sempre prensa no Unconventional PR. Trata-se de uma ação de marketing ousada que visa recompensar seu cliente. Pode ser um vídeo ou resposta da empresa a uma queixa na rede social. Um case de sucesso de growth hacking é o da CVC. Em 2016, a companhia aérea comemorou 10 anos com a promoção “10 anos de férias”. A mecânica era a seguinte: a cada R$100 em compras, o cliente concorria a 10 anos de férias grátis. Conheça outros exemplos vitoriosos:

  1. Mailbox: o aplicativo de gerenciamento de e-mails compatível disponível para Andoid, iOS e Mac é compatível (por enquanto!)apenas para Gmail e contas do iCloud. O vídeo de lançamento da plataforma foi matador. A peça mostrava que existiam várias pessoas na fila para usar o serviço. No prazo de 6 semanas eram mais de 1 milhão na lista de espera;
  2. Mint: o blog sobre finanças pessoais é um dos mais populares no mundo. O segredo? Conteúdo relevante com estratégia de SEO bem elaborada.

Gostou das nossas dicas de organização para consultoria growth hacking? E dos cases de sucesso dessa metodologia de marketing? Não perca nenhum artigo sobre marketing.