Maconha na gravidez: entenda as consequências do consumo

À medida que mais Estados americanos legalizam a maconha e as mídias sociais alegam seu uso para o enjoo matinal, os pediatras do país advertem que a droga pode não ser inofensiva

Com o uso de maconha na gravidez mais ou amamentando, um novo relatório da Academia Americana de Pediatria (AAP) pede mais pesquisas sobre possíveis efeitos de desenvolvimento em crianças.

Destacando evidências emergentes de que a maconha provavelmente não é inofensiva, como amplamente assumido, a AAP recomenda que as mulheres evitem a droga durante a gravidez ou amamentação de uma criança.

O relatório clínico “Uso de Maconha Durante a Gravidez e a Amamentação: Implicações para Resultados Neonatais e Infantis”, publicado na Pediatria de setembro de 2018, cita estatísticas que mostram que mais bebês do que nunca estão sendo expostos à maconha.

Com a maconha agora legal para uso médico ou recreativo em mais da metade dos Estados dos EUA, as estatísticas mostram seu uso aumentando.

O uso de maconha na gravidez aumentou em 62% entre 2002 e 2014, nacionalmente. Enquanto isso, a maconha se tornou mais potente, com concentrações médias do composto psicoativo tetrahidrocanabinol (THC) mais do que quadruplicando desde os anos 80.

“O fato de a maconha ser legal em muitos estados pode dar a impressão de que a droga é inofensiva durante a gravidez, especialmente com histórias circulando na mídia social sobre o uso de náusea com enjôos matinais”, disse Sheryl A. Ryan, MD, FAAP. autor do relatório e Presidente do Comitê de AAP sobre Uso e Prevenção de Substâncias.

“Mas, na verdade, essa ainda é uma grande questão. Não temos bons dados de segurança sobre a exposição pré-natal à maconha. Com base nos dados limitados que existem, como pediatras, acreditamos que há motivos para se preocupar com a impactar o desenvolvimento a longo prazo das crianças “, disse o Dr. Ryan.

O THC, o químico da maconha, em grande parte responsável por seus efeitos psicoativos, cruza prontamente a placenta e entra no cérebro do feto em rápido desenvolvimento. A pesquisa mostrou que o THC entra no leite materno, incluindo um estudo publicado em Pediatrics em 27 de agosto, que encontrou o THC presente no leite materno até seis dias após o último uso.

Sabe-se pouco sobre o que acontece quando a maconha entra no sistema de um bebê, de acordo com a AAP, mas os estudos que existem consistentemente sugerem ligações entre a exposição pré-natal e os possíveis efeitos do neurodesenvolvimento.

Estes incluem danos às habilidades de funções executivas das crianças, incluindo concentração, atenção, controle de impulsos e resolução de problemas. Alguns estudos também revelam um risco possivelmente maior de transtornos por uso de substâncias e doenças mentais entre adolescentes e adultos que tiveram exposição pré-natal à maconha.

“Muitos desses efeitos podem não aparecer imediatamente, mas podem afetar o quanto uma criança pode manobrar no mundo”, disse Ryan. “A capacidade de crianças e adolescentes de administrar seu tempo, trabalho escolar e empregos pode ser prejudicada pelo consumo de maconha na gravidez.”

A pesquisa existente também esclarece os mecanismos por trás desses possíveis efeitos. O relatório AAP descreve evidências sugerindo que o THC se liga e essencialmente “sequestra” e perturba os neurotransmissores no cérebro que desempenham um papel fundamental no desenvolvimento normal das redes de células nervosas.

De acordo com o Instituto PENSI, é aconselhável que as mulheres grávidas ou que estejam amamentando evitem o uso da maconha.